Acidente de vôo Rio-Paris em 2009: Air France e Airbus de volta à justiça

Sempre lembrado é o esforço da Marinha do Brasil em partir o mais rápido possível para o local do acidente em um enorme esforço para a eventualidade de salvar possíveis sobreviventes, mesmo já e sabendo que isso seria impossível devido as características do acidente. Foto via Marinha do Brasil.

Doze anos depois que o vôo Rio-Paris caiu no Brasil, o Tribunal de Recurso de Paris decidiu enviar a Air France e a Airbus ao tribunal. 223 passageiros e funcionários morreram na queda da aeronave. A decisão foi feita inicialmente em 2019.

O Tribunal de Apelação de Paris ordenou na quarta-feira um julgamento por “homicídios involuntários” contra a Air France e a Airbus por suas responsabilidades indiretas no acidente Rio-Paris, que deixou 228 mortos em 2009.

Esta decisão da câmara de investigação do tribunal de apelação, requerido pelo Ministério Público, invalida a destituição proferida em 2019 a favor da empresa e da construtora ao final das investigações.

Ao anunciar essa decisão, os poucos parentes das vítimas presentes se abraçaram em lágrimas, aliviados. Os advogados da Airbus, Me Simon Ndiaye e Antoine Beauquier, anunciaram imediatamente um recurso de cassação, denunciando uma “decisão injustificada” segundo eles, “em contradição com os juízes de instrução que conheciam bem o processo”.

“A Air France nega ter cometido uma falta criminal que está na origem deste terrível acidente”, reagiu um dos advogados da empresa, Me François Saint-Pierre.

Famílias “ouvidas” pela justiça

“É uma imensa satisfação ter a sensação de ter finalmente sido ouvido em tribunal”, declarou, muito emocionada, a presidente da associação Entraide et Solidarité AF447, Danièle Lamy. “Lamentamos, no entanto, ter demorado doze longos anos para chegar lá, doze anos de determinação inabalável, povoada de incertezas, procedimentos enfadonhos e obscuros, desânimo, mas nunca resignação”, acrescentou.

Apesar de existirem muitas teorias, hipóteses e versões diferente, a versão oficial resumida afirma que; em 1º de junho de 2009, o voo AF447 que ligava o Rio de Janeiro a Paris caiu no meio do Atlântico. Os pilotos, desorientados por uma falha técnica ao cruzarem a instável zona meteorológica não conseguiram recuperar o estol do A330, resultando na morte de 216 passageiros e 12 tripulantes.

Em 29 de agosto de 2019, após dez anos de investigações marcadas por uma batalha de perícias, os juízes investigadores da divisão de acidentes coletivos do tribunal de Paris haviam proferido uma demissão geral. As investigações “não conduziram à caracterização de falha culposa da Airbus ou da Air France em conexão (…) com as falhas de pilotagem (…) na origem do acidente”, estimaram então os magistrados.

Falhas de Air France e Airbus

Pelo contrário, a Procuradoria-Geral considerou que as “causas indiretas” da queda eram atribuíveis às falhas das duas empresas: os dirigentes da Air France “se abstiveram de dar formação e informação às tripulações”, enquanto a Airbus ” subestimou a gravidade das falhas do sensor de velocidade Pitot “e não fez o suficiente para corrigir esta falha perigosa.

O congelamento dessas sondas foi o gatilho para o desastre. Causado pela formação de cristais de gelo durante uma passagem em grande altitude em um aglomerado de cúmulos-nimbos, o incidente levou a uma inconsistência nas medições de velocidade e desorientou os pilotos até o estol fatal em menos de 4 minutos.

  • Com informações La Depeche, France Inter e AFP via redação Orbis Defense Europe.





Be the first to comment on "Acidente de vôo Rio-Paris em 2009: Air France e Airbus de volta à justiça"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*