Aeronave espiã da USAF (RC-135W) bateu recorde de proximidade com o espaço aéreo da China

Um Rivet Joint RC-135 da Força Aérea dos EUA recebe combustível de um Stratotanker KC-135 durante uma missão dentro da área de responsabilidade do Comando Central da Força Aérea dos EUA, em 26 de maio de 2019. O Rivet Joint apóia consumidores de teatro e de nível nacional com quase real recursos de tempo, coleta de inteligência na tela, análise e disseminação. Imagem ilustrativa. Foto de Master Sgt. Russ Scalf/USAF.

As fontes abertas de monitoramento de voos e os milahres de afccionados que passam seu tempo livre a monitorar o tráfego aéreo não param de nos fornecer informações que antes eram disponíveis apenas aos controladores de tráfego aéreo e ou agentes de inteligência da época da guerra fria. Dessa vez estamos sabendo de um recorde jamais imaginado desde os tempos dos voos dos SR-71 Blackbirds!

Uma aeronave RC-135W da USAF (provavelmente o USAF 64-14849) fez o vôo de reconhecimento tático/estratégico mais próximo de todos os tempos na costa da China, chegando a 25,33 milhas náuticas, o que é considerado um novo recorde de proximidade, de acordo com diversos especialistas e também de acordo com mídias chinesas que protestam sobre o fato.

A aeronave que aparece nos sites de monitoramento identificada como “USAF 64-14849” é uma das mais monitoradas pelos observadores do Japão:

O vôo aconteceu no dia 22/03, e até agora não foi negado nem confirmado pela USAF, mas muito comentado pelas comunidades de monitoramento de voos online e pelas mídias chinesas nos últimos dias, acusando os EUA de “voos ilegais e agressivos”…

Fonte: https://twitter.com/SCS_PI

E do outro lado do mundo uma aeronave semelhante, outro RC-135W também efetuou um voo muito próximo da península da Criméia, sobrevoando grande parte do norte do Mar Negro, conforme noticiamos no em primeira mão para nossos leitores* (link para a matéria no final do texto).

A distância normal de missão de um avião espião da USAF geralmente obedece até certo ponto as regras de tráfego aéreo internacional, mas acontecem geralmente com o padrão de cerca de 50 a 70 milhas náuticas, mas as 25,33 milhas náuticas foram bem percebidas por milhares de observadores de sites especializados de monitoramento de voos online por todo o mundo. Apesar da missão ser aparentemente “secreta” por outro lado podemos supor que a USAF “desejou” um pouco de publicidade indireta no fato…

Muitos analistas acreditam que a aeronave de reconhecimento Boeing RC-135 da USAF voou mais perto da costa da China deliberadamente, desafiando as forças de defesa da PLAAF a responder. Um cenário que pode ser catastrófico, pois se uma aeronave valiosa como o RC-135W fosse abatido, certamente os EUA não deixariam o fato sem represália.

Imaginem a cenana sala de planejamento de voo, quando a tripulação do RC-135W recebeu o briefing da missão; “Nós estamos indo para onde? A 25 milhas da costa da China? ”

De acordo com as últimas informações, a aeronave RC6135W que efetuou o voo recordista (ou uma semelhante) rumou hoje para as Ilhas Aleutas:

O avião de coleta de inteligência de alta tecnologia entrou no Mar da China Meridional na segunda-feira através do Canal de Bashi para conduzir operações de reconhecimento nas regiões costeiras do sul da China.

Enquanto a PLAAF (Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China) continua a lançar voos agressivos para a ADIZ (Zona de Identificação de Defesa Aérea) de Taiwan, parece que dois lados se legitimizam nas ações, como diz o ditado; “chumbo trocado não dói”…

O evento ocorre dias depois que a primeira reunião entre o governo Biden e as autoridades chinesas terminou com hostilidade aberta, pois parece que o presidente Biden não mostra nenhum sinal de mudar a política do ex-presidente Trump de cutucar o Dragão Vermelho.

Missões dos RC-135 da USAF já apareceram várias vezes na mídia chinesa este ano e no início deste mês, a emissora estatal CCTV também rastreou suas missões de reconhecimento no Mar Amarelo e no Mar da China Oriental a partir da Base Aérea de Kadena em Okinawa, Japão.

Na semana passada, o SCSPI divulgou seu relatório anual sobre as operações militares dos EUA no Mar da China Meridional em 2020, relatou a Zero Hedge, afirmando que aviões espiões da USAF realizaram quase 1.000 surtidas em sobrevoos de águas altamente disputadas no ano passado.

Bombardeiros e navios de guerra dos EUA têm aumentado as missões em torno das ilhas militarizadas da China no sul da China desde o governo Trump e agora o mantêm sob o governo Biden.

Desde 2009, os militares dos EUA “aumentaram significativamente a frequência das atividades na região, aumentando a presença de navios de superfície em mais de 60 por cento, atingindo cerca de 1.000 dias de navio por ano”, de acordo com a Newsweek em outubro passado.

No ar, ele envia em média três a cinco aviões de guerra para o Mar da China Meridional por dia, a maioria deles sendo aeronaves de reconhecimento, fazendo um total de mais de 1.500 surtidas por ano, quase o dobro de 2009.

A forte presença dos EUA nos mares ao redor da China ocorre no momento em que os militares chineses aumentam suas próprias capacidades de combate e realizam voos de sondagem perto do Japão e Taiwan quase diariamente, informou a Newsweek.



blank

Be the first to comment on "Aeronave espiã da USAF (RC-135W) bateu recorde de proximidade com o espaço aéreo da China"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*