Brasil mantém assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU

O Brasil se reelegeu para um dos assentos no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), em votação ocorrida nesta quinta-feira (17). A América Latina tinha duas vagas para o órgão – a outra ficou com a Venezuela, que recebeu forte oposição de países como os Estados Unidos.

Brasil e Venezuela derrotaram a Costa Rica, outro país latino-americano que concorria a uma das duas vagas da região para o Conselho. A delegação brasileira já ocupava uma das cadeiras; enquanto a representação venezuelana substitui Cuba, que deixa o posto em 31 de dezembro.

Na ONU, o regime de Nicolás Maduro representa a Venezuela – e não a equipe do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, reconhecido pela maioria dos países das Américas, inclusive o Brasil.

O resultado da votação ficou assim:

  • Brasil: 153 votos
  • Venezuela: 105 votos
  • Costa Rica: 96

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do Brasil, Damares Alves, comemorou a reeleição. “O mundo reconhece nosso esforço em defesa de direitos humanos para todos. O governo trabalha dia e noite contra violações”, escreveu no Twitter. “Este é um novo momento para o Brasil, em que o governo é um incansável defensor da vida e que não mede esforços para enfrentar a violência”, disse Damares.

O que é o Conselho de Direitos Humanos da ONU?

Conselho de Direitos Humanos da ONU — Foto: G1 Mundo

Criado em 2006, o Conselho de Direitos Humanos da ONU discute a situação humanitária mundial em reuniões na sede em Genebra, na Suíça. Os Estados Unidos deixaram parcialmente o conselho por considerá-lo um”fórum de hipocrisia sobre direitos humanos”, sobretudo porque o governo norte-americano acusa o órgão de ser “anti-Israel”. O órgão tem 47 países integrantes, em mandatos que duram três anos. Em 2019, foram eleitos 14 membros:

  • Alemanha
  • Armênia
  • Brasil
  • Coreia do Sul
  • Ilhas Marshall
  • Indonésia
  • Holanda
  • Japão
  • Líbia
  • Mauritânia
  • Namíbia
  • Polônia
  • Sudão
  • Venezuela
  • Com agências internacionais e G1


blank

Be the first to comment on "Brasil mantém assento no Conselho de Direitos Humanos da ONU"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*