Egito compra caças Rafale e pretende intensificar negócios de armas com a França

Caça Dassault Rafale na Base Aérea de Solon-de-Provence, França. Foto por Yam Wanders

Essa seria então a segunda grande encomenda do Egito de caças Rafales para a Dassault, seguindo o primeiro contrato feito em 2015.

O Egito assinou um contrato com a França para comprar 30 caças Rafale, em um negócio que o site investigativo Disclose avalia em aproximadamente US$ 4,5 bilhões. Ministério da Defesa do Egito revelou início em 4 de maio

O ministério da defesa do Egito disse que o negócio seria financiado por um empréstimo a ser pago em pelo menos 10 anos, mas não deu detalhes sobre o valor do negócio ou qualquer outra informação.

O presidente Emmanuel Macron disse em dezembro durante entrevistas que não condicionaria a venda de armas ao Egito ao compromisso de respeitar os direitos humanos porque não queria enfraquecer a capacidade do Cairo de conter terroristas na Península do Sinai.

Citando documentos confidenciais, divulgue disse que um acordo tinha sido concluído no final de abril e poderia ser finalizado quando uma delegação egípcia chega em Paris, em 04 de maio . Parece que o site investigativo Disclose estava certo.

Capa da matéria do site Diclosed France do dia 03 de maio de 2021 com a matéria da venda secreta dos caças Rafale ao Egito. O Disclosed France é um dos maiores e melhores sites da Europa de jornalismo investigativo. Os editores e jornalistas fazem um trabalho “tão bem feito” que já foram “convidados” à prestar esclarecimentos junto à DGSI (serviço secreto francês) devido aos informes extremamente embaraçantes para o governo francês.

Este está longe de ser o primeiro acordo desse tipo entre Paris e Cairo: em particular, os egípcios adquiriram uma grande remessa de armas e equipamentos em 2016 assim como o porta helicópteros da classe Jeane d’Arc que na época deveria ter sido vendido ao Brasil.

Além de 24 caças Rafale, incluía dois navios de assalto anfíbio universal Mistral originalmente construídos para a Rússia, que o Palácio do Eliseu se recusou a transferir para a Marinha russa após a imposição de sanções. Corvetas da classe Govind-2500 também estão sendo construídas sob licença francesa nos estaleiros egípcios.

Os contratos militares para a França não são apenas uma forma de aumentar a influência e comercializar seus produtos, mas também têm o objetivo de fortalecer o Egito contra a Turquia. Da mesma forma, Paris pode se opor indiretamente aos planos de Edorgan no Norte da África.

O negócio também veio na sequência de uma visita de estado extremamente controversa a Paris por el-Sisi em dezembro, organizada por Macron.

Egito e França têm desfrutado de um relacionamento cada vez mais estreito sob a liderança do ex-general do Exército el-Sisi, com interesses comuns no Oriente Médio e uma suspeita compartilhada do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

O presidente francês descartou condicionar o aprofundamento dos laços comerciais e de defesa da França com o Egito à questão dos direitos.

“Acho que é mais eficaz ter uma política de diálogo do que uma política de boicote que reduziria a eficácia de um de nossos parceiros na luta contra o terrorismo e pela estabilidade regional”, disse Macron.

O Egito precisa diversificar suas compras de armas, já que os EUA não o veem mais como um aliado importante depois que o presidente Hosni Mubarak foi deposto em 2011, e os dois presidentes subsequentes não foram tão amigáveis ​​com Israel quanto ele.

Israel tem dois esquadrões prontos para o combate de 24 caças F-35 e, em fevereiro de 2021, aprovou a compra de um terceiro, junto com petroleiros aerotransportados para aumentar seu alcance.

O Egito diz que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, se comprometeu a vender a aeronave F-35 ao Egito quando se encontrou com el-Sisi na Assembleia Geral da ONU em 24 de setembro de 2018, mas que o governo Biden não vai cumprir.

Depois que os Emirados Árabes Unidos normalizaram as relações com Israel em setembro de 2020, isso abre o caminho para outro aliado importante no Oriente Médio, e o Egito provavelmente está se sentindo abandonado.

O governo Trump notificou informalmente o Congresso no ano passado sobre seus planos de vender 50 caças F-35 aos Emirados Árabes Unidos, por até US $ 10,4 bilhões, depois que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu supostamente concordou com isso.

Durante este período, a Rússia tomou a iniciativa diplomática e se tornou o novo interlocutor de el-Sisi. A França, evidentemente, também não perdeu chances.

Para que as relações entre os EUA e o Egito melhorem, Washington precisa abandonar suas posições sobre os supostos abusos dos direitos humanos cometidos pelo Cairo.

“Há uma posição dos EUA contra os problemas de direitos humanos no Egito”, disse o general reformado do exército egípcio Gamal Mazloum à Al Jazeera, acrescentando: “Eles devem abandoná-la”.

“Desde que o novo presidente Biden dos Estados Unidos “assumiu o cargo”, ele não ligou para o presidente al-Fattah el-Sisi. Não há nenhuma conexão entre eles … Não é bom. ”

Abaixo, vídeo do canal France 24, comentando os fatos:

 

  • Com informações STF Analysis & Inteligence e Disclose France, via redação Orbis Defense Europe.



blank

Be the first to comment on "Egito compra caças Rafale e pretende intensificar negócios de armas com a França"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*