Mais Acidentes Poderão Ocorrer Semelhantes Ao Submarino Nanggala-402

A Marinha da Indonésia declarou no final de abril a localização do Submarino indonésio Nanggala-402 a aproximadamente 850 metros de profundidade no mar de Bali com todos os 53 tripulantes e passageiros a bordo oficialmente confirmados como mortos.

A embarcação Nanggala-402 de fabricação alemã e da classe Cakra ou 209/1300 de 40 anos suportava um limite estressante de submersão a 200 metros, com capacidade de atingir 600 metros, entretanto, nestas condições, a operacionalidade seria nula, acima dessa margem o colapso era certo, foi o que realmente ocorreu.

blank
Nanggala-402

Percebe-se que as marinhas pelo mundo, principalmente em nações com baixo destaque econômico, buscam nutrir seu poder naval com novas tecnologias de aprimoramento que solapam a temporalidade e eleva o tempo de vida útil de suas plataformas marítimas, levando seus submarinos a limites absolutos e muito além dos projetos originais.

São métodos mais baratos e rápidos em reaparelhar seus dispositivos ao cenário bélico internacional, entretanto, a região da Ásia e Pacífico pode ser palco de novos acidentes semelhantes ao Nanggala-402 da Indonésia caso estas façanhas se tornem constantes.

blank
Submarino Type 209

Para Craig Hooper, enquanto o Japão, um produtor de submarinos de primeira linha, aposenta os submarinos após 20 anos de serviço, os quatro Type 209/1300 operados pelo Equador e pela Venezuela, sendo as classes Shyri e Sabalo respectivamente, ainda estão trabalhando bem em sua quarta década. Isso não é necessariamente um problema.

Submarinos antigos são bons se forem usados com moderação, desde que sejam reequipados, reparados, íntegros e mantidos dentro de parâmetros operacionais progressivamente restritivos quando necessário, respeitando seus limites.

blank

Os submarinos mais antigos sofrem quando o operador não consegue manter os protocolos operacionais e de manutenção rígidos.

Tais submarinos não respondem bem às pressões da competição marítima aprimorada e são mais adequados para implantações de rotina padrão e uma carreira operacional relativamente amena ou regressa.

Specialist 3rd Class Alonzo M. Archer/Released

Dito de outra forma, para proteger o movimentado arquipélago indonésio, os dois Cakras provavelmente foram solicitados a fazer muito mais por suas vidas úteis do que as minúsculas frotas de submarinos do Equador e da Venezuela jamais fizeram, isso se deve ao contesto de área regional da Ásia.

Não é nenhuma surpresa que os dois piores acidentes de submarinos no Pacífico envolveram submarinos antigos transportando mais pessoas do que o planejado.

blank
Submarino classe Ming da China

Em 2003, um acidente a bordo de um antigo submarino da classe Ming, o Submarino da Marinha da China nº 361, matou todos os 70 a bordo. Normalmente, uma embarcação da classe Ming suporta uma tripulação de 57 tripulantes.

O Nanggala-402 estava apoiando uma tripulação reforçada, bem acima do contingente padrão classe Cakra de cerca de 35 militares.

Em ambos os acidentes, os observadores suspeitam que a tripulação foi ampliada por estagiários extras, técnicos ou observadores.

blank
Tripulação no Nanggala-402

Isso pode ter consequências trágicas. Quando os segundos contam, a última coisa que qualquer submarinista precisa são indivíduos não treinados em pânico atrapalhando.

Mas passageiros extras são um fato da vida a bordo de submarinos mais antigos. Com a militarização do Pacífico, as frotas submarinas estão crescendo e os submarinos antigos estão sendo solicitados a absorver cada vez mais tarefas de treinamento.

blank

Para complicar as coisas, muitas marinhas do Pacífico estão desenvolvendo suas próprias tecnologias submarinas, e os submarinos mais antigos estão sendo solicitados a manter os submarinos da linha de frente livres para tarefas, testando uma gama cada vez maior de novas tecnologias, um perigo com precedentes.

O treinamento e os testes podem preencher os submarinos da ativa mais antigos, já lotados, com visitantes que, na melhor das hipóteses, não estão familiarizados com os planos de contingência do submarino – e mesmo assim os líderes militares também podem pedir aos submarinos com restrições operacionais para acomodar uma manobra desconhecida ou assumir uma nova engrenagem – engrenagem que é, como os submarinistas novatos, frequentemente experimentando as duras demandas de serviço submarino pela primeira vez, um exemplo claro e simples.

blank

Assim, essa ocasião é receita para o desastre. E então, se ocorrer um desastre e um submarino em dificuldades de alguma forma sobreviver a uma catástrofe inicial, uma tripulação reforçada reduz as margens já estreitas de resgate.

Se a profundidades limites toleradas pela estrutura de um submarino, em torno de 200 metros, já torna o resgate muito difícil, imagina conduzir uma operação de grande dimensão com tripulação a ser resgatada acima da suportada? É uma tarefa que reduz as chances de sucesso.

blank

Para se evitar isso, qualquer Marinha pequena precisa aplicar um programa de garantia de qualidade “SUBSAFE” completo diante de submarinos sobrecarregados e envelhecidos.

A primeira etapa é encorajar os usuários a serem realistas e impor restrições operacionais estritas aos submarinos mais antigos, quando necessário. Um submarino de 40 anos de uso pesado, sem restrições operacionais, coloca todos em perigo.

Posteriormente requer protocolos de treinamento e teste de melhorias em todo o Pacífico, e reforçar os recursos de resgate de submarinos em toda a região.

blank
Nanggala-402 no fundo do mar

Com o tempo, os militares descobrem que os acidentes evitáveis ​​acarretam enormes custos de segurança nacional. Mas essas são lições difíceis que cada nação só pode aprender – e muitas vezes deve reaprender – por si mesma.

Com informações complementares Indonesian Navy, NHK, Reuters, Forbes, Felipe Moretti, via Redação Área Militar



blank

Be the first to comment on "Mais Acidentes Poderão Ocorrer Semelhantes Ao Submarino Nanggala-402"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*