Revolta e manifestações por toda a França contra a “Ditadura Sanitária”

Em toda a França, mas principalmente em Paris e até nos departamentos ultramarinos, o 14 de julho é marcado por uma onda de manifestações em várias cidades contra as novas imposições do governo na gestão da crise do Covid e sua “nova variante delta” .

O motivo são as novas restrições  de liberdades individuais e coletivas anunciadas pelo presidente Macron, que alega seguir orientações do seu conselho científico e de segurança nacional, que afirmam  uma  “4a onda” da pandemia do Covid já em curso na França.

Essas restrições serão implementadas com a imposição quase obrigatótia de um “passe sanitário”, isto é, um documento eletrônico que funciona a partir de um aplicativo instalado nos telefones celulares, que vão exibir informações para controle de vacinação ou de testes negativos com menos de 48 horas efetuados pelos hospitais públicos e/ou conveniados.

Sem esse “passe sanitário”, não será permitido a frequentação de hospitais, clínicas de tratemento, asilos, repartições públicas, escolas, universidades, centros comerciais, atividades de lazer coletivas, cinemas, teatros ou qualquer evento que possa reunir mais de 50 pessoas, bem como não será permitido a utilização de qualquer meio de transporte coletivo intermunicipal, e aviões em vôos nacionais e internacionais. O governo também estuda a restrição para supermercados de médio e grande porte.

O controle do passe sanitário será efetuado por equipamentos específicos ou telefone celulares com aplicativos especiais, poderá ser também feito pelas forças policiais, empresas de segurança e até mesmo por “voluntários” de ONGs. As empresas ou instituições que estão sujeitas a exigir o passe sanitário dos frequentadores poderão sofrer multa de até 45 mil euros e os responsáveis serem condenado até quatro anos de prisão caso acontecam negligências ou falhas no controle do passe sanitário aos frequentadores.

Nos protestos que aconteceram por toda a França, alguns foram pacíficos e outros bem violêntos, como foi o caso de Annency e Saint Etienne onde as sedes do governo departemental foram invadidas por manifestantes e em quase todos as manifestações ocorreram confrontos com as forças de ordem.

Esse projeto do “passe sanitário” se arrasta desde o incício da crise do Covid em 2020, e foi uma das primeiras medidas estudadas pelo governo Macron, antes mesmo de existir a garantia de suprimentação adequada de vacinas para a população.

A grande maioria da população é refratária a imposição da vacinação, pois existem inúmeras evidências de falta de lisura política nas medidas do governo e ainda mais desconfiança na eficácia das vacinas e testes PCR. Depois de centenas de milhares de casos de reações graves com vacinados de todas as idades e até mesmo de pessoas que adquiriram o Covid mesmo depois de vacinadas, a desconfinaça do povo francês e a revolta atingem os mais altos níveis em toda a Europa.

Outra grande revolta entre muitos é a clara situação de relativismo moral na gestão da crise, já que viajantes oriundos da Africa, Asia e Oriente Médio não são obrigados às mesmas exigências dos cidadãos franceses e outros da comunidade européia.

De acordo com a análise de especialistas independentes, as medidas não são justificáveis pois os números de caso de internações de covid està baixíssimo mesmo com a “nova variante delta”. Oficialmente são 931(novecentos e trinta e uma) pessoas internadas em reanimação para uma população de 70 milhões de franceses.

Fonte: https://www.cnews.fr/france/2021-05-16/nombre-de-personnes-en-reanimation-nombre-de-deces-lhopital-regions-touchees-le

Abaixo, algumas das muitas imagens das manifestações e protestos que aconteceram por toda a França nesse 14 de julho:

Em Annecy, a manifestação partiu em frente à Prefeitura de Haute-Savoie, conforme relatado por France Bleu Savoie, que especifica: “Ativistas cruzaram os portões da prefeitura para invadir os jardins.” Manif Annecy # 14Juillet2021 #NonAuPassSanitaire pic.twitter.com/bo8aj9tGkq- marie espeisse (@EspeisseMarie) 14 de julho de 2021 “Condeno veementemente a intrusão de indivíduos no recinto da prefeitura de Haute-Savoie esta tarde. Apoio total aos agentes do Estado que agiram com frieza ”, comentou posteriormente o ministro do Interior, Gerald Darmanin.

Em Toulouse, a manifestação contra o passe sanitario reuniu vários milhares de pessoas, segundo a France 3 Occitanie . O slogan “liberdade” foi ouvido no local, conforme evidenciado por diversas transmissões ao vivo na rede social Facebook.

“Uma máquina de construção está em chamas no meio das barricadas, em frente à Gare de l’Est”, relatou nosso jornalista Charles Baudry, vídeo de apoio.

“Não ao passe de saúde”, poderíamos ler nas placas de alguns manifestantes que marcharam em Avignon. A procissão reuniu várias centenas de pessoas, segundo o La Provence .

A reunião de Montpellier totalizou vários milhares de pessoas na Place de la Comédie, conforme relatado por Midi Libre .

“A manifestação contra o passe de saúde e a vacina obrigatória contra jatos de água e gás lacrimogêneo em Nantes no dia 14 de julho. Os presentes esperaram vários minutos que a polícia respondesse às provocações ”, comentou no final da tarde.

Entre as grandes cidades que sediaram os desfiles do dia, Lyon foi palco de confrontos entre manifestantes e policiais. “As tensões continuam no lado da rue Victor Hugo. Os disparos de gás lacrimogêneo estão ligados em resposta aos jatos de projéteis ”, testemunha Lyon Mag no Twitter.

“Eles estão se manifestando contra as medidas anunciadas, à margem da cerimônia de 14 de julho”, relatou Réunion la 1ère, segundo a qual a avenue de la Victoire (em Saint-Denis, capital da ilha) não tinha conhecido tamanha multidão por muito tempo. “Não queremos a vacinação obrigatória, muito menos para os nossos filhos, teremos que nos ouvir, nunca cederemos, liberdade!”, Declarou um manifestante em particular ao canal de televisão.

Em Paris, onde vários milhares de manifestantes bateram na calçada durante o dia, o desfile foi pontuado por confrontos com a polícia. “Há muitas tensões em torno do Boulevard de Magenta. Intervenção do BRAV-M. Vários tiros de gás lacrimogêneo contra projéteis ”, por exemplo, testemunhou nosso repórter da rue du Faubourg Saint-Martin, no 10º arrondissement da capital.

Da metrópole aos departamentos ultramarinos, os manifestantes bateram na calçada em 14 de julho para denunciar os recentes anúncios do Presidente da República em termos de política de vacinas contra a Covid-19. Ao final da tarde, Emmanuel Macron por sua vez ainda não havia comentado sobre a onda de protestos, embora atuante nas redes sociais, já que publicou ao meio-dia uma mensagem de parabéns dirigida a um casal cujo vídeo de proposta de casamento, filmado justamente manhã na Champs-Elysées, se tornou viral. Recorde-se que as declarações do Chefe de Estado sobre a extensão do passe de saúde ou sobre a obrigação de vacinação para determinadas categorias da população têm suscitado muitas críticas.

  • Com informações France Inter, Lyon Mag, France 3, France 24, France RT, Le Obs, BFM TV, CNews e redes sociais via redação Orbis Defense Europe.


blank

Be the first to comment on "Revolta e manifestações por toda a França contra a “Ditadura Sanitária”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*