Rússia prende empresário de cybersegurança por traição

O fundador de uma das principais empresas de segurança cibernética da Rússia foi preso por suspeita de traição, depois que autoridades revistaram seu escritório, na quarta-feira, citando a assessoria de imprensa de um tribunal de Moscou.

Ilya Sachkov, que fundou o Grupo-IB em 2003, pode ser condenado a até 20 anos de prisão por acusações de traição, e, de acordo com o Moscow Times e outras midias da Rússia, acrescentando que as razões específicas para as acusações são desconhecidas, mas todos suspeitam de envolvimento com atividades do caso Pégasus em monitoramentos de autoridades governamentais russas. Ele ficará sob custódia até 27 de novembro.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a compartilhar detalhes do caso do Grupo-IB na quarta-feira, mas disse a repórteres que não havia conexão com a condenação suspensa do investidor americano Michael Calvey por peculato.

Os clientes do Grupo-IB incluem os maiores bancos e provedores de telecomunicações da Rússia, como Sberbank, Alfa Bank, Megafon, MTS e Rostech. A empresa também trabalhou com a Interpol e agências russas de aplicação da lei. Em abril, Sachkov disse à Forbes que a empresa planejava vender ações no exterior.

Em 2020, o Departamento de Justiça dos EUA acusou Nikita Kislitsin, chefe do departamento de segurança de rede do Group-IB e ex-editor-chefe da revista Hacker de conspirar para vender dados roubados da rede social Formspring em 2012. O Group-IB alegou que as acusações infundadas.

De acordo com a SPARK, a receita do Aybi Group LLC em 2020 aumentou de 175,2 milhões para 384,4 milhões de rublos, e o prejuízo líquido no final de 2020 foi de 43,8 milhões de rublos. A receita de todo o grupo de empresas do Grupo-IB não divulga. A empresa inclui seis pessoas jurídicas, incluindo duas internacionais, registradas em Cingapura e Amsterdã.

Sachkov foi incluído na classificação da Forbes americana “30 under 30” em 2016 . O russo foi incluído na lista dos 30 empresários mais promissores da área de tecnologia.

Fonte:https://www.forbes.ru/news/441425-osnovatela-group-ib-arestovali-po-delu-o-gosizmene

Preocupações com o caso Pégasus persistem na Europa e Rússia

Cidadãos russos ainda não parecem estar listados em um vazamento de quase 50.000 números de telefone de 45 países que relatórios investigativos disseram ter sido selecionados para vigilância por usuários de Pegasus. O especialista em segurança cibernética Andrei Soldatov atribuiu sua ausência à aversão dos serviços de segurança russos em importar ferramentas de vigilância estrangeiras.

A mídia mais tarde relatou que o bilionário Pavel Durov, o fundador russo e residente em Dubai das populares redes sociais VKontakte e Telegram, estava listado entre os alvos potenciais.

O fabricante do Pegasus, NSO Group, negou os relatórios publicados em uma investigação conjunta pelo The Guardian, The Washington Post, Le Monde e a organização sem fins lucrativos Forbidden Stories, sediada em Paris, esta semana.

Durante uma teleconferência diária na quarta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse aos repórteres: “As medidas de segurança são tomadas regularmente e não há necessidade de medidas adicionais”.

“Em geral, o chefe de estado, o primeiro-ministro, a administração presidencial e outros departamentos usam um sistema especial de comunicação governamental protegido de forma confiável”, disse Peskov.

  • Com informações The Moscow Times, TASS, Forbes Russia, via redação Orbis Defense Europe/Genebra/Paris.


blank

Be the first to comment on "Rússia prende empresário de cybersegurança por traição"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*