Talebã exige renúncia do presidente e executa colaboradores dos EUA

Em 22 de julho o Talebã declarou que era necessário para o presidente afegão Ashraf Ghani renunciar para começar um acordo de paz no Afeganistão e um cessar-fogo. Para isso, é preciso formar um novo governo.

Suheil Shaheen, porta-voz do gabinete político do Taleban no Catar, disse à agência que o Taleban “não acredita em monopólio de poder” porque os governos anteriores do Afeganistão que procuraram fazê-lo não tiveram “sucesso. “Não queremos repetir a mesma fórmula”, disse o porta-voz.

Ao mesmo tempo, ele acrescentou que as negociações com o lado do governo foram um bom começo.

Enquanto isso, “as repetidas demandas das autoridades afegãs por um cessar-fogo equivalem à “rendição” do Taleban, enfatizou Shahin.

“Eles não querem reconciliação, querem rendição”, disse o porta-voz do Taleban.

Segundo ele, antes de um cessar-fogo no país, é preciso chegar a um acordo sobre um novo governo “aceitável para nós e outros afegãos”. E então “não haverá guerra”, enfatizou.

O novo governo permitirá que as mulheres trabalhem, participem da política e frequentem a escola, mas elas terão que usar o hijab, disse Shahin. Segundo ele, nas áreas ocupadas pelos militantes talibãs devem garantir o funcionamento de universidades, escolas e mercados como antes.

“Ninguém, absolutamente ninguém, inclusive eu, quer uma guerra civil”, disse um representante do gabinete político do movimento terrorista.

Perseguição e decapitação de colaboradores dos EUA

Enquanto isso, para mostrar que aqueles que cooperaram com os EUA não são bem-vindos, para dizer o mínimo, o Taleban decapitou Sohail Pardis, um civil que trabalhava como tradutor do Exército dos EUA no Afeganistão.

Ele estava dirigindo de sua casa na capital do Afeganistão, Cabul, para a província vizinha de Khost para buscar sua irmã para as celebrações do feriado de Eid, que marcam o fim do Ramadã.

Era para ser uma ocasião feliz desfrutada com a família. Mas durante a viagem de cinco horas em 12 de maio, enquanto Pardis, 32, dirigia por um trecho do deserto, seu veículo foi bloqueado em um posto de controle por militantes do Taleban.

Poucos dias antes, Pardis confidenciou ao amigo que estava recebendo ameaças de morte do Taleban, que descobriu que ele havia trabalhado como tradutor para o Exército dos Estados Unidos por 16 meses durante o conflito de 20 anos.

“Eles estavam dizendo a ele que você é um espião dos americanos, você é os olhos dos americanos e é infiel, e vamos matar você e sua família”, disse seu amigo e colega de trabalho Abdulhaq Ayoubi à CNN.

Em 14 de julho, a Casa Branca anunciou que estava lançando a “Operação Refúgio dos Aliados”, um esforço para realocar os milhares de intérpretes e tradutores afegãos que trabalhavam para os EUA e cujas vidas agora estão em risco. A evacuação começará na última semana de julho para os candidatos ao Visto de Imigrante Especial (SIV) que já estão em andamento, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em um briefing.

Anteriormente, o governo Biden disse que estava em negociações com vários países para agir como portos seguros até que os EUA pudessem concluir o longo processo de visto, um sinal claro de que o governo está bem ciente da ameaça iminente do Taleban.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse na quarta-feira que o Departamento de Defesa “está considerando opções” para onde cidadãos afegãos e suas famílias poderiam ir.

“Ainda estamos examinando as possibilidades de locais no exterior para incluir algumas instalações departamentais que seriam capazes de apoiar os esforços de relocação planejados com residências temporárias adequadas e infraestrutura de apoio”, disse Kirby.

  • Com informações Associated Press, CNN, France Inter, France 3 e STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.




Be the first to comment on "Talebã exige renúncia do presidente e executa colaboradores dos EUA"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*