Turquia poderá recuperar o NAe São Paulo como plataforma de treinamento aeronaval para a Marinha Turca

Imagem ilustrativa via jornal Ayinlink.

Vendido para uma empresa turca de desmantelamento de navios, o NAe São Paulo agora é alvo de um possível plano de recuperação para uso como plataforma de treinamento aeronaval. A informação não é oficial, mas a pretensão do plano é sugerida com seriedade pelo ex-comandante da Marinha do Turquia, contra-almirante Mustafa Cihat Yayci, que ainda goza de muita influência nos meios militares e atua extra-oficialmente como consultor naval estratégico em diversos setores dos interesses navais turcos e de seus aliados do Oriente Médio.

O assunto é comentado na imprensa turca desde meados do dia 24 de março, quando aconteceram as entrevistas do contra-almirante Mustafa para canais de TV e internet da Turquia. Mas dentro dos círculos de analistas de assuntos geopolíticos e militares, sempre existiu a certeza de uma provável cobiça da China e  de algumas nações emergentes, pelo navio considerado antigo mas ainda interessante portador de certas tecnologias não dominadas por potências regionais emergêntes.

O contra-almirante Mustafa afirma com convicção em entrevistas de TV (vìdeos ao final da matéria) que a idade avançada do NAe São Paulo, com 58 anos, não seria um empecilho no emprego do navio para funções de treinamentos, e, que navios piores e mais antigos já foram empregados com sucesso por outras Marinhas ao redor do mundo, e que o parque naval turco não enfrentaria maiores problemas na tarefa de uma eventual recuperação do navio.

A Marinha da Turquia que já tentou comprar navioa aeródromos de outros países no passado agora planeja construir um porta-aviões totalmente próprio mas com tecnologia mixta multinacional até o fim desta década. Atualmente a Marinha turca opera o navio de assalto anfíbio TCG Anadolu, que pode ser empregado como porta-aviões leve e operar caças de pouso e decolagem vertical, e a esperança turca era poder operar os F-35 Lightning II agora embargados pelos EUA.

O contra-almirante Mustafa Cihat Yayci, ex-comandante da Marinha do Turquia afirmou em uma entrevista ao jornal Ayinlink recente, sugerindo a não efetuar o desmantelamento do navio, e sugeriu “reequipá-lo para treinar os tripulantes dos futuros porta-aviões turcos” e que tal plano de ação “economizaria tempo” na implantação desse tipo de embarcação para a Marinha Turca em um futuro próximo, em entrevista ao jornal turco Aydinlik (link no final da matéria).

“Em vez de desmantelar o navio, devemos definitivamente reequipá-lo com diferentes sistemas que sejam válidos para nosso uso e começar a treinar pessoal de porta-aviões com visão de futuro a partir de hoje.” “Se formos para o velho navio, essa questão não é muito importante. É necessário pensar nisso como um material de treinamento na forma de quebra-cabeça, desmontar, usar e vestir. O que é importante neste ponto é treinar o pessoal militar nesta plataforma, para ganhar hábito e experiência ao pessoal. Nas marinhas, são preparadas simulações de modo a proporcionar ‘treinamento virtual’, ou seja, treinamento visual, ao pessoal que trabalhará na cabine de comando, que pode ser traduzido para o turco como cabine de comando. Sabemos que eles mobilizam muitas possibilidades para criá-lo… “Portanto, é muito importante que tenhamos um porta-aviões que possamos dar treinamento para que esses grupos de tarefas possam desempenhar suas funções com eficácia. Isso nos levará anos adiante em termos de nossa experiência no porta-aviões e sua atuação grupo.” Declarou o contra-almirante Mustafa Cihat Yayci.

Implantação do caça russo Su-33

O contra-almirante Cihat Yaycı disse:”Vamos pegar o porta-aviões, vamos implantar o avião russo Su-33… “Sugiro que o Sukhoi Su-33 Flanker de origem russa seja examinado com cuidado como alternativa à aeronave que podemos usar com este navio. O custo unitário deste avião é de 60 milhões de dólares em média, o Su-27 é o desenvolvido para a marinha e como você sabe, é atualmente Diferente dos Harriers, que foram considerados por um tempo, o TCG pode voar supersônico e pode carregar muito mais munição.

Aviso da cobiça pelo NAe São Paulo foi alertada por diversos analistas, seguindo o exemplo do ex-Varyag russo/ucraniano

Todos lembram do caso do porta-aviões da ex-URSS/Ucrânia, o Varyag, que também seria sucateado, enquanto foi comprado pela China e anunciado para ser usado no treinamento de pilotos como parte de seu programa de treinamento e pesquisa. Hoje o Liaoning opera quase que plenamente em suas funções e é um fator de desequilíbrio na geopolítica do Mar do Sul da China.

Originalmente, o Varyag era um porta-aviões soviético multiuso da classe Almirante Kuznetsov. Foi lançado em 4 de dezembro de 1988. Com um acordo entre a Rússia e a Ucrânia, o navio foi deixado como espòlio da ex-URSS para a Ucrânia em 1993. As obras de construção do navio foram interrompidas em 1992, quando estava 67 por cento concluído, devido a questões de custo. O navio foi colocado à venda em leilão. Não tinha motores nem sistema de direção. A Grã-Bretanha chegou a comprar o navio para sucata em 1996.

No entanto, o contrato foi posteriormente cancelado pela Ucrânia, e o navio foi vendido a uma empresa de turismo de Macau, a “Agencia Turistica e Diversoes Chong Lot Limited”, por US $ 20 milhões em 1998, com a condição contratual que não fosse utilizado para fins militares. Para não ser usado como navio de guerra, seus sistemas eletrônicos e fonte de alimentação foram desmontados pela Ucrânia. Porém a China obviamente não cumpriu o contrato e a o resto da história todos conhecem…

Segundo denúncias das mídias russas na época, a empresa de turismo em questão era uma empresa de fachada e o navio ingressaria na Marinha chinesa. A mesma afirmação foi repetida por publicações internacionais de defesa e foi enfatizado que a China queria o navio para obter tecnologia de porta-aviões.

Em círculos informais de analistas de defesa e estudiosos da geopolítica naval, o assunto era amplamente comentado e, parece que estamos vendo a novela se repetir dessa vez com o Nae São Paulo…

Abaixo, vídeos de canais de TV da Turquia, onde já se dá como certo o plano de aproveitamento do Nae São Paulo:





Be the first to comment on "Turquia poderá recuperar o NAe São Paulo como plataforma de treinamento aeronaval para a Marinha Turca"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*